Sou muita ternura ou chama , sou amor e paixão , sou meiga e sonhadora, uma sonhadora eterna ! Sou assim e assim, romantica , selvagem, calma e feroz, mas... sincera

Eu mesma!

Selo para Levar Consigo


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Alma



Desnuda-me a alma quando me lês
Silencia-me o mar que desagua em mim
Despe-me o corpo no poema que és...





Texto registado e protegido pelo IGAC



terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Duas almas na Ribeira do Porto

Se eu soubesse, que seria a última vez que te via entrar pela porta, abraçaria, tudo o que existe para viver e amar num só dia, seria mistério, mulher, lua e fantasia
 não sofria, vivendo morta

Se eu soubesse, que era a última vez que ouviria a tua voz, cada palavra tua, seria poesia, para que eu pudesse ler, sem pranto, guardava cada gesto, canto, para mais tarde recordar, sem esta dor atroz

Se eu soubesse, que seria o último céu em que olhamos a ribeira, seria o sol no retrato que tiraste, a estrela no horizonte da alegria, no brilho do meu olhar, saberias, este amor foi magia

Se eu soubesse, que naquela noite a tua boca falava a despedida, seria a flor dos teus lábios, sentirias o prazer sem medida

És aquele que abracei num entardecer de outono e o tempo nunca esqueceu, o beijo antes de partires, o corpo junto ao meu e a memória grita, fui tua, não tem como esconder e dizer que não aconteceu, é mais forte do que eu, a minha pele arrepia, acredita

Não queiras abandonar-te na tristeza, no medo onde se escondem os segredos, perto do violino que guardas no peito, sou melodia que danço nos teus dedos, por ti, meu amor, choram as madrugadas para te escrever, aquelas lágrimas que rezaram à saudade, como poderei esquecer?

Escrevo-te hoje assim, simples, vives na minha alma eternamente
(é esta a carta que escrevi e nunca lês-te)


Dos meus lábios, nunca ouviste um adeus...



Renascer



Gritei no silêncio do vazio,mas os ouvidos eram surdos e toda a tristeza eram ecos sem certezas
os lábios mudos,pensamentos sem rumo,a memória acorda,choram as guitarras

Sim...lembro-te, esqueço-me

Sei de um retrato que tiraste na intimidade que não conheço
um gesto, uma palavra que pensaste, o poema que nunca li, mas choraste
sei de tudo um resto, um olhar e do luar onde adormeço

Tentei,sim eu tentei

Esquecer-te ali, abandonar-me na solidão, não consegui, era luz o teu rosto
tentei ser aquilo que outrora fui e que por ti me esqueci de ser
na alma um rio, doces as lágrimas, no mar dos olhos, salgadas de desgosto

E num olhar em pranto,no horizonte perdido,lembrei-me do teu sorriso
eu tentei...
renascer, para não morrer na tua partida sem aviso





Texto registado e protegido pelo IGAC


Eva de amor





Beija-me...
Farei da boca,sonetos de desejos
O luar dos teus beijos
Lê-me...
Farei das palavras,doces abraços
O céu das mãos nuas em nós

E dos meus dedos faço melodias...caricias suaves que dançam no teu corpo sem destino
Como se fossem cordas de violino




quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Mar


Mar
As ondas
Dançam
Saudade
Lágrimas
Salgadas
Do meu olhar
Distante 
No vazio
Sem palavras
Abandono
 Silêncio
Na brisa
Do Outono
Lembranças
Sentidas
Sem sono
Porto sem cais
Alma esquecida
Solitária no arco-íris
Um adeus sem despedida

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Um último olhar



Na escuridão, o coração voa e espera na sombra da lua...
Aguardando o momento, nas horas perdidas para te dizer: sou tua
Tão perto, distante, porque me esqueces, fora do alcance
Sem toques, nem cheiro, és um livro fechado, sem fim
Na minha caminhada por esta estrada infinita invento um romance
Da sonhadora que me habita, estou sempre em ti, estás sempre em mim
E assim, em poemas sem endereço, espero por ti
Um dia, esse livro fica esquecido, na memória sem saber do quê
Um último olhar,  um beijo, abraço que senti e escrevi

Quando os sonhos adormecem em silêncio, as palavras choram no vazio sem tempo e morre a poetisa que morava dentro de mim e eu, sou pó, rosa negra, alma que sangra
Poesia num lamento, perdida na voz do vento



terça-feira, 1 de janeiro de 2013

És TU...flor






Estás sempre no pensamento
Sorrio quando penso em ti
És presença que dança ao som do vento
Lentamente...voas intensamente
Perfumada no coração
Oiço a tua respiração
És rosa,perfume da paixão
Terra,corpo,onde desejo morar
Pétalas de emoção são as tuas mãos
Suaves na pele para namorar
E o teu cheiro Primavera...
Doces quimeras
Sensações,fogo,ternura,eterna
És Tu a Lua
O brilho das ondas do mar
Magia,dançarina,pura,divina e nua
És tu o sol,calor
Quente caricia do verbo amar
Sonho,perdição,amor
És tu o céu,desejo,beijo,abraço
És TU...flor
Melodia,pecado,poesia no espaço

Quero,amar-te perdidamente
Estar em ti,ser em ti,sermos nós
A tua existência,loucamente,a nossa essência
Nunca sós,sermos sempre,eternamente