Sou muita ternura ou chama , sou amor e paixão , sou meiga e sonhadora, uma sonhadora eterna ! Sou assim e assim, romantica , selvagem, calma e feroz, mas... sincera

Eu mesma!

Selo para Levar Consigo


domingo, 16 de dezembro de 2012

Amor ausente




Quem te disse que os meus olhos não choram?
o mar é saudade que guardo na alma sincera
quem te disse que a minha boca não fala?
ouve a voz do tempo,o silêncio eterno por estar sempre à tua espera


O outono são lágrimas, folhas que caem no chão sem sono
acorda o Inverno com as memórias que dançam na chuva em abandono
e a Primavera? 
está tão longe agora,como tu (e eu),a terra sem perfume nem hora


Quem te disse que não te amo,se as minhas asas sorriem no teu céu?
se o meu coração é teu?
por ti fui tudo e nada, inventei palavras, luares na madrugada, vesti-me nua
e se desta ilusão que nunca vivi, sonho e vi que estás em mim, sou tua


Que vento sussurrou nos teus ouvidos que os meus lábios são mudos?
sou gaivota que dança sem razão,voa sem prisão e canta
....sou o som na tua garganta

E do meu fogo nascem asas, mulher e sombra proibida, luz divina



E o teu amor é meu?




quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Juras de amor




Juraste-me amor
Nem sabias tão pouco o que dizias e muito menos o sentias
Ah sim,foram juras que o tempo silencia com dor

Prometeste-me céus,caravelas de estrelas e mares
Mas foi uma ilusão
Promessas para tu sozinho navegares

Da tua boca voaram palavras
Sorrisos
Abraços
Ficaram no chão sem asas

Fui amanhecer
Foste tu entardecer
Não beijaste a Primavera e o sol queria chover

E quando te quis pássaro,fui gaivota sincera
Mas a tua prisão foi mais forte que a liberdade
Triste ave prisioneira,terra,saudade na espera

Juraste-me amor sem fim
Saberás tu dançar ao som da alma?
Já não quero que me oiças...este voo é meu ,é dentro de mim




quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Gemido da paixão



Ouve no prazer dos meus sentidos, um gemido
ardente desejo, quero-te em mim perdido…

Sente na pele, o sopro do beijo, a boca é tempo
arrepios que suam na brisa quente, dos meus lábios em vento... 

Prendo-te em mim com sedução, bebe-me, sacia(me), sente quem eu sou

Tempestade, onda brava que desagua no mar do teu corpo paixão


Escuta-me

Escuta-me...

Foram madrugadas em que o sonho me acordou
E o vento dançava com frio
As estrelas adormeciam no céu
A alma era inverno,vazio

Entreguei-me,errei,com fé aprendi
Na luz e na escuridão

Voaram poemas,nus,nas asas do pensamento
O luar solitário nas páginas sem paixão
Foi coração magoado,ave sem rumo em sofrimento

Foram dias onde a tristeza crescia por ti,mas foram dias que a ausência foi voz para mim

Ainda assim,ouve-me,mesmo que seja tarde
Curva-te diante do desejo de sentir e amar em liberdade
Tudo que tens tocado com a tua vaidade
Falso rosto, é apenas um outro,é cobarde

Olha-me...
O que vês agora é apenas uma mulher que se vai embora
E a chuva que cai,é branca,serena,calma,dos sonhos de outrora

Quisera eu




Saberás ouvir
um fado com saudade, de um amor com asas e presas na distância?

Meu amor, quisera eu ser namorada de todas as palavras
não seria a voz distante que chora pela madrugada

Seria sol, caricia nocturna, rosa perfumada que dança na chuva

Quisera eu ser dona da magia...
o céu não seria surdo, ouviria da minha boca a ternura
que beija na tua...






segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Flor do tempo




Não...
Não olhes por mim
Sou flor solitária que morre e renasce na sombra
Do teu jardim

E o meu perfume é vento...
É terra
Mar
Viajante no tempo



sábado, 1 de dezembro de 2012