Sou muita ternura ou chama , sou amor e paixão , sou meiga e sonhadora, uma sonhadora eterna ! Sou assim e assim, romantica , selvagem, calma e feroz, mas... sincera

Eu mesma!

Selo para Levar Consigo


sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Um último olhar



Na escuridão, o coração voa e espera na sombra da lua...
Aguardando o momento, nas horas perdidas para te dizer: sou tua
Tão perto, distante, porque me esqueces, fora do alcance
Sem toques, nem cheiro, és um livro fechado, sem fim
Na minha caminhada por esta estrada infinita invento um romance
Da sonhadora que me habita, estou sempre em ti, estás sempre em mim
E assim, em poemas sem endereço, espero por ti
Um dia, esse livro fica esquecido, na memória sem saber do quê
Um último olhar,  um beijo, abraço que senti e escrevi

Quando os sonhos adormecem em silêncio, as palavras choram no vazio sem tempo e morre a poetisa que morava dentro de mim e eu, sou pó, rosa negra, alma que sangra
Poesia num lamento, perdida na voz do vento



2 comentários:

  1. Não deixes nunca morrer a poetisa que há dentro de ti.
    Magnífico poema, gostei muito.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nilson morre a poesia em mim,morro eu...a poesia é a minha vida,alma,com quem falo,sonho,amo sempre que escrevo,choro sempre que escrevo,sorrio,viajo,grata do coração pelo teu carinho,sorrio-te num beijo terno

      Eliminar